comédia, gargalhada, Jerry Lewis, Ponderações, riso

A genética do riso

Sempre tive o riso fácil, quase frouxo. Tive um amigo na adolescência que dizia que eu ria até de gol contra, o que não é verdade, mas sempre fui chegada a uma boa gargalhada. Minha mãe adora contar que quando eu era bem pequena ficava assistindo TV e as pessoas iam até a sala para ver do que eu ria tanto. Provavelmente ter Jerry Lewis como seu ídolo da infância explica muita coisa. Continuo assim até hoje, os programas de TV me fazem rir sozinha, dar boas e altas gargalhadas e acho, no mínimo, estranho quando alguém torce o nariz e diz não entender a graça, quando eu estou passando mal de rir com o BAZINGA, do chato do Leonard, físico nerd do The Big Bang Theory. Fico feliz quando estou em casa e ouço as gargalhadas do Lú, meu filho, sozinho na sala de TV, ele também passa mal de rir com os seus programas. Preciso urgentemente achar um bom filme do Jerry Lewis para dividir com o meu filho. Pode ter coisa mais gostosa que compartilhar algumas horas de boas gargalhadas com quem você ama?
  

Acho que você gostaria de ler também...

Deixe seu comentário